terça-feira, fevereiro 10, 2009

//

Eu nunca imaginaria, nem por um segundo, a imagem que tenho de mim mesma agora. Nem por toda a certeza no mundo, nem por uma vidente que sempre acertasse.
Como cheguei até aqui?
Parece que, de tanta absorção, eu tornei-me um grande espaço em branco. Algo inacreditável, uma muralha de sentimentos.

Há uma voz na minha cabeça repetindo repetindo repetindo repetindo: isso é errado. isso não é normal, como poderia ser? que inocência, que sonhos, que sentimento! isso não existe. e tudo que sai da sua boca não é aceitável, não é plausível. você não pode ser assim, não, meu amor, não, minha querida.
E essa voz parece ser a de uma senhora. Uma sombra com um véu nos cabelos grisalhos. Se eu conseguisse dizer o que me está apavorando, o que me deixa sentir como a pessoa mais enclausurada em um canto que jamais existiu...
Mas não haveria entendimentos. Só a certeza de que há algo errado. Algo errado comigo. E com o que eu sinto. O que eu sinto mais profundamente. E o quanto eu sei que é inacreditável que eu possa sentir.
E eu tenho medo de deixar tudo cair, de retrair-me, de deixar-me desacreditar e achar que estou errada. Que tudo realmente não pode ser assim. Há de ser de outra forma, por favor. De repente, pode reaparecer a sensação de completo vazio. Mas um vazio pode ser completo?
Não quero lembrar do vazio. nem um pouco.

Sou sozinha. Sou sozinha mais do que qualquer pessoa cogite adivinhar. Sozinha dentro de mim, dos meus pensamentos jamais revelados e da dor que sinto por ser. Por isso agarrei-me tão fortemente à grande luz avassaladora e quente e que me fazia sentir sede.
Não existe o saciar-se.

Mas eu não quero explicar a minha solidão.

O que eu quero explicar é que finalmente consegui. E sei que não consigo mais que isso. Nem um pouco mais, nem com ninguém!
E isso é difícil de entender. É difícil para uma pessoa que não eu...

Por isso.
Ar.
Por isso quando escuto que há algo muito errado com tal sentimento, eu tenho medo. Pois é tudo que eu sinto.
Então tudo foi um erro.

E eu nunca deveria ter sentido.
Porque não há outra forma, para mim, de sentir.

2 comentários:

[20 kretek menthol] Clove Cigarettes disse...

"Sozinha dentro de mim, dos meus pensamentos jamais revelados e da dor que sinto por ser." Bah! Horríveeeel sentir isso. Mas quando somos sozinhos, somos por opção, e tb não apenas pela opção... uma amiga minha falou que na realidade somos completamente sozinhos, porque ninguém fará nada por nós e as pessoas podem se distanciarem. Só que até hoje não consigo aceitar essa idéia, pelo fato de já ter sentido muito a dor da solidão. Sou dependente das pessoas que amo e não sei se aguentaria viver sozinha novamente. Já acho um saco e uma depre quando estou sozinha em casa, imagina sozinha numa fase da sua vida? Sei lá hein!!!
Gostei muito daqui... Me identifiquei.
:****

Nina disse...

me lembrou uma música da fiona apple:
"full is not as heavy as empy not nearly my love, not nearly."
e outra coisa. Não é pior ainda...não seria pior...o não sentir? pra mim é assim. isso que me aterroriza dentro de mim.