terça-feira, dezembro 04, 2007

Sentir.

E, então, as lágrimas voltavam-lhe aos olhos, tão azedas, tão doloridas, queimavam-lhe a face enquanto desciam; ela sabia que não queria chorar, mas já o estava fazendo. Não conseguia impedir o sentimento que vinha arrepiando todos os seus fios de cabelo, os pêlos, a roupa, e até mesmo os olhos, que se abriam de medo diante da perda de controle. Sua fragilidade começava no momento em que se deixava ler: abria-se o livro de sua alma, e as palavras nele escritas não se passavam de chaves para abrir sua consciência.
Ela não agüentava mais, alguns detalhes já a matavam, sugavam todo seu sangue. Tentava fechar os olhos para fechar também a mente, o coração e... o pulso que passeava dela para o resto do mundo. Em um pleonasmo exato e vicioso: o pulso pulsava pulsante dentro de seu pulsante coração para o resto do mundo que pulsava quando abria os olhos novamente. Aquele pulso a controlava.

Estava sozinha, definitivamente ao ermo e vazio. Ele a deixara. Não é simplesmente mais um caso de paixão mal-correspondida, não, é mais sério, vem do amor, o amor que vive as pessoas, que as faz sentir algo mais. E como ela amava! O amor a movia, dava-lhe a vontade de seguir em frente, de ter alguém e algo por que lutar. O amor havia dominado o pulso, em verdade, havia-se-o tornado.
Porém, em um dia sem data, começaram-se as malditas. Ela passou a sentir o gosto delas constantemente, salgado, amargo de tristeza. Estava tão absurdamente feliz, não obstante, com a tristeza estava sempre de mãos dadas, anéis trocados, e, se não fosse a loucura do paradoxo, diria que as duas eram felizes.
Nunca exigiu nada, nunca disse nada, apenas era magoada e morta todos os dias. Por coisas pequenas, por bactérias invísiveis a olho nu, mas sentia tudo cravando-lhe uma estaca no peito. Ele não era culpado, e ela repetia isso sempre, todos os dias, meu amor, sou eu, o problema sou eu, não, não se chateie, não vá embora, não... E uma porta era batida. Ela ia para o banheiro, abaixava a tampa da privada e sentava-se em cima, agarrando-se ferozmente a seus joelhos, soluçando demais, indefesa, perdida, desiludida. Quase uma constante.
Uma vez foi até o espelho do quarto de sua mãe, um bem grande e límpido, e perguntou ao seu reflexo, encostando a pontinha dos dedos em sua própria imagem: "O que é o amor?" Não veio resposta, mas ela não cansava de olhar para seus olhos, eles pareciam tão decididamente expostos, tão pequenos diante de tudo. Ela quis agarrar sua imagem, mas não conseguiu. Chorou.

Ele foi embora de vez no verão. Ela odiava o verão, talvez ele quisesse que ela também o odiasse. Mas ela só pensava que ele havia ido embora e deixado a estação quente, queria sua primavera de volta, de qualquer forma. Mas não conseguiu. Sabia que nunca conseguiria, pois ela era como uma flor frágil e efêmera, logo se murcharia à visão de seu possuidor.
A verdade é que ele não conseguia entendê-la, qualquer coisa, qualquer ato, feria-a de uma forma bruta e desconexa. Não podia fazer nada sem que a doesse na alma. Odiava machucá-la e, desta forma, entendeu que seria melhor deixá-la sozinha, desamparada, mas sem a dor que lhe causava todos os dias, incontavelmente.
Ele também sofreu, o amor era dois, mas aquilo não poderia prosseguir. Ele, agora, não conseguia mais agüentar. E se foi.



Voltamos ao momento. Ela se odiava, sabia que seus sentimentos incontroláveis eram o motivo para sua eterna escassez. Nunca o teria de volta. O desespero se lhe tomava conta. E era realmente desesperador sentir de uma forma tão incrivelmente surreal e avassaladora. O sentir, esse maldito sentir, fê-la subir extremos, fê-la viva. Ao passo que também a fez morta.
Mas a certeza que sobrevoa sua mente é que, se não sentisse, tudo seria pior, sua loucura, pois já estava enlouquecendo de tanto sentimento, seria a loucura das mentes vazias.

Chorou mais uma vez, enquanto um pequeno sorriso aparecia em seu rosto.
Quase imperceptível.

3 comentários:

Marcos Chuvas disse...

De uma sensibilidade notória. Lendo o texto tive poucos 'flashes' que me levaram a textos de Oscar Wilde.
E a narração favoreceu todo o contexto da história. Belo texto, Pree.
Beijos!

Nina disse...

sim, como eu disse, talento nunca vai embora.
acho que amar é sempre uma exclamação, sabe? Sempre fico surpreendida! E como amava!
A parte do verão me lembrou exatamente essa música aqui:

"Summer in the city,
I'm so lonely lonely lonely
I've been hallucinating you, babe, at the backs of other women
And I tap on their shoulder and they turn around smiling
But there's no recognition in their eyes
Oh summer in the city means cleavage cleavage cleavage
And don't get me wrong, dear,
in general I'm doing quite fine
It's just when it's summer in the city, and you're so long gone from the city
I start to miss you, baby, sometimes"

Se quiser te passo depois.
"o amor era dois" é definitivamente minha parte preferida.

Leukós disse...

Bem... Você pediu-me um comentário, ei-lo:

Ao ler seu texto lembrei-me imediatamente da seguinte música:

COMO DIZIA O POETA (Toquinho - Vinicius de Moraes)

Quem já passou por essa vida e não viveu,
Pode ser mais mas sabe menos do que eu.
Porque a vida só se dá pra quem se deu,
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu.

Quem nunca curtiu uma paixão
Nunca vai ter nada, não.

Não há mal pior do que a descrença,
Mesmo o amor que não compensa
É melhor que a solidão.

Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair.
Pra que somar se a gente pode dividir.
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer.

Ai de quem não rasga o coração,
Esse não vai ter perdão.
Quem nunca curtiu uma paixão,
Nunca vai ter nada, não.

----------------------------------

O que é o amor?

Ho Theòs agápe estín! (Deus caritas est!)

Se preferir uma definição brega:

O AMOR É UM BICHINHO (Carmen Silva)

O amor é um bichinho
Que rói, rói, rói
Rói o coração da gente
E dói, dói, dói
(...)
Mas eu sou de carne e osso (ai, ai, ai)
Tenho um coração pulsando (ai, ai, ai)
E o amor é um bichinho (ai, ai, ai)
Que vai acabar me matando

-----------------------------------

A construção "o amor que vive as pessoas", que você usou, está correta? Eu teria usado "o amor que vivifica as pessoas".

-----------------------------------

Enfim, amei o texto! Parabéns! Melhore cada vez mais!

Beijos! Leukós!